Como ter um divórcio saudável

Como ter um divórcio saudável

divocio

Ninguém começa um casamento achando que ele irá acabar. No entanto essa se torna a realidade de muitos casais. Estima-se que mais de 20% dos casamentos terminam em divórcio nos primeiros cinco anos e 48% tendem a se dissolver cerca de 20 anos depois. A separação é um evento emocionamente muito dificil, mas é possível superá-lo de forma saudável.

O fim de um casamento geralmente desencadeia uma onda de emoções, incluindo raiva, tristeza, ansiedade e medo. Às vezes, esses sentimentos podem aparecer quando você menos espera e atrapalhar a sua vida. Essa resposta emocional ao divórcio é normal e diminui com o passar do tempo.

Porém, independentemente do que aconteceu para que a relação tenha chegado ao fim, é preciso ter em mente que a cooperação e a comunicação com o cônjugue é fundamental para que o divórcio ocorra de uma maneira saudável, ainda mais quando se tem filhos. Por isso, contar com a ajuda de um psicoterapêuta nesse momento é ideal para coordenar decisões com o mínimo possível de conflito e lidar melhor com as emoções.

Uma outra alternativa também é optar pela mediação para os procedimentos judiciais, já que ao tentar resolver as coisas por si mesmo pode fazer com que os problemas que contribuíram para a separação voltem à tona durante as negociações e gerem frustrações.

Cuidando de si mesmo

As mudanças provocadas pela separação podem ser avassaldoras. As sensações de medo e insegurança perante a vida passam a ser constantes. Incertezas, readaptação a uma nova realidade, receios sobre o futuro, filhos e solidão são algumas das questões que costumam surgir após o divórcio.

Por isso, nesse momento, mais do que nunca, é importante cuidar de si mesmo, se respeitar e respeitar o seu tempo para vivenciar essa espécie de luto que representa o fim de um casamento, e assim, poder refletir sobre o que deu errado e como pretende reconstruir a vida a partir de agora.

Existe uma parte em todos nós que é vulnerável, receptiva e aberta ao amor e à aprovação. Portanto, trate a si mesmo com carinho e compaixão, e veja como tudo irá fluir positivamente.

Quando os filhos estão envolvidos

O divórcio pode ser uma experiência traumática para crianças, mas isso não significa que ele não deve acontecer. Quando um relacionamento está em conflito, é provável que as crianças sintam a tensão ou talvez o desvanecimento de um ou de ambos os pais – e isso não é bom para ninguém.

No entanto, o impacto sobre as crianças pode ser reduzido se a separação ocorrer de forma pacífica. Durante essa fase, procure manter conversas honestas com o seus filhos sobre as mudanças que a família está vivendo e mantenha qualquer conflito distante das crianças.

Além disso, jamais jogue o seu ex-parceiro contra seus filhos. Há uma série de pesquisas que mostram os efeitos devastadores sobre as crianças quando um dos pais mina o vínculo entre a criança e o outro cônjugue.

Como a psicoterapia pode ajudar

O divórcio é um evento que gera bastante sofrimento psíquico. A ajuda de um psicoterauta é muito importante para ajudá-lo a compreender o que está acontecendo com você e atravessar esse período de superação e mudança de forma segura e confiante.

Siga em frente e não tenha medo das dificuldades! A vida é feita de percalços, pelos quais devemos atravessar e superar. Todas as nossas experiências nos tornam mais maduros e melhores.

Referências:

American Psychological Association, Healthy divorce: How to make your split as smooth as possible

Hey Sigmund, Divorce and kids