Depressão infantil exige atenção dos pais

Depressão infantil exige atenção dos pais

crianca_triste

Irritabilidade, isolamento, dificuldades de concentração e baixo rendimento escolar são alguns dos sintomas comuns da depressão infantil. A doença, que sempre pareceu um mal exclusivo dos adultos, afeta cerca de 2% a 3% das crianças em idade pré-escolar e entre 6% a 8% dos adolescentes. Desde a década de 70 existem estudos que reconhecem essa condição entre crianças e jovens como um transtorno psiquiátrico, que requer tratamento.

É difícil entender como uma criança pode ter depressão, já que a infância é um período em que, teoricamente, não há preocupações, estresse ou problemas. No entanto, é preciso ficar atento, pois o sofrimento também existe entre os pequenos, podendo gerar impactos em seus processos cognitivos e comportamentais.

Assim como nos adultos, a depressão pode surgir devido a fatores biológicos e emocionais (perdas, traumas psicológicos, estresse, etc.). Do ponto de vista biológico, a depressão pode ser causada por uma disfunção nos neurotransmissores relacionada a fatores genéticos ou falhas em algumas áreas do cérebro. Com relação aos fatores emocionais, a depressão pode estar associada a alguns aspectos comprometidos da personalidade, como ausência de autoconfiança e baixa autoestima.

Estima-se que a presença da depressão em um dos pais aumenta em até três vezes o risco de desenvolvimento da doença na criança, seguido por estressores ambientais, como abuso físico e sexual e perda de um dos pais, irmão ou amigo íntimo.

Se a depressão não for diagnosticada e tratada adequadamente, a criança sofrerá impactos negativos que abrange os níveis físico, cognitivo, psicomotor e psicossocial, afetando principalmente as habilidades necessárias para aprendizagem e desenvolvimento.

Como reconhecer os sintomas da depressão infantil

A depressão infantil pode causar sintomas graves e contínuos que afetam o modo como a criança sente, pensa, age e lida com as atividades diárias, como ir à escola, dormir ou comer. É importante saber reconhecer os sintomas e procurar ajuda.

Seu filho pode precisar de ajuda se ele:

– Muitas vezes se sente irritado ou preocupado
– Não consegue dormir normalmente
– Tem falta de apetite
– É incapaz de desfrutar de atividades prazerosas
– Isola-se e evita interações sociais
– Apresenta sintomas físicos como dores de cabeça e abdominais, fadiga e tontura
– Sente tristeza por um longo período de tempo após uma perda ou morte
– Machuca outras crianças ou destrói seus próprios objetos
– Tem pouca energia para desempenhar as atividades diárias
– Sente-se frequentemente com medo
– Tem baixo rendimento escolar
– Tem baixa autoestima
– Tem pensamentos mórbidos
– Sente-se culpado
– Tem baixa concentração

Vale ressaltar que a tristeza nas crianças nem sempre é perceptível, ou vivida da mesma maneira que nos adultos. O humor deprimido pode se manifestar como irritação e choro fácil. Em crianças menores de cinco anos pode haver diversas crises de choro e melancolia, encoprese (eliminação voluntária de fezes), regressão das funções psicomotoras e pesadelos.

Diagnóstico e tratamento

Como você pode perceber, existem muitos sintomas que podem indicar a depressão em uma criança. Estar atento à ocorrência e frequência desses sintomas é muito importante, no entanto, somente um profissional da saúde é quem poderá identificar corretamente os sinais e fazer o diagnóstico diferencial correto, pois outros transtornos psiquiátricos também podem ter características semelhantes.

O tratamento para a depressão varia de acordo com a faixa etária da criança. Geralmente, a psicoterapia é uma excelente ferramenta terapêutica. Em alguns casos, o psiquiatra infantil poderá indicar um tratamento medicamentoso em combinação com a psicoterapia.

Referências:

J Huttel (2011) – PUCPR – A depressão infantil e suas formas de manifestação
Anxiety and Depression Association of America