Como a psicoterapia do luto pode me ajudar?

A morte de uma pessoa querida é sempre dolorosa, quase como uma ferida, que sangra no início e vai fechando aos poucos, com o tempo. Esse período envolve uma vasta gama de sentimentos, sensações físicas e mudanças que interferem em nosso funcionamento emocional.

O luto é um processo inevitável de elaboração de uma perda e geralmente é composto por cinco fases: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação¹. No entanto, ele nem sempre se dá nessa sequência. Algumas pessoas não conseguem ultrapassar uma dessas fases e a aceitação parece estar em um horizonte distante, ainda mais se a perda do ente querido for repentina.

Para uns, o luto pode ocorrer por antecipação, como uma maneira de se organizar internamente diante de uma perda eminente. Para outros, pode ser tardio, quando o impacto é muito grande e não se consegue olhar para a perda e para o sofrimento naquele momento.

De modo geral, a perda de um ente querido é um fator que gera um grande estresse, e se não for elaborada de forma funcional, pode trazer inúmeras repercussões na vida do indivíduo, entre elas depressão e ansiedade.

Vale mencionar que o luto é um processo de longo prazo e individual, que pode ser complicado por alguns fatores de risco como: perda traumática e repentina; relação de dependência ou ambivalência com a pessoa perdida; e falta de suporte familiar. Nesses casos, o acompanhamento psicológico e até mesmo psiquiátrico é necessário.

Psicoterapia de luto

A psicoterapia de luto é uma especialidade da psicologia que tem como objetivo ajudar um indvíduo a processar sua perda. O tratamento tanto individual como familiar se desenvolve nas seguintes frentes: a de elaboração do luto; e a de possibilitar a criação de suportes para que a pessoa possa se adaptar sem aquele que se foi e estabelecer novos sentidos para a vida, aprendendo a lidar com o medo, com a culpa e a ansiedade que podem estar associados à morte do ente querido.

A psicoterapia possibilita as seguintes mudanças durante o processo de luto:

– Alívio dos sintomas
– Adaptação à nova situação
– Recuperação da autorregulação e da autoestima
– Novas perspectivas de planos para o futuro
A psicoterapia de luto pode ser trabalhada individualmente, em grupos familiares, ou em grupos temáticos (viúvos, mães, enlutados por suicídio, por exemplo) ou por faixas etárias (crianças, adolescentes, adultos e terceira idade).
Se você precisa de ajuda para lidar com sua dor ou gerenciar uma perda, consulte um psicólogo especializado.
¹ De acordo com a teoria consagrada mundialmente pela psiquiatra Elizabeth Ross, existem cinco fases do luto: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação:
Na fase negação, a pessoa encontra uma forma de negar o problema e não entrar em contato com a realidade.
No período da raiva, é comum o indivíduo se sentir injustiçado e inconformado. Na negociação, o indivíduo começa a avaliar a hipótese da perda, e começa a negociar, começando por si mesmo, dizendo que irá sair daquela situação e, geralmente, faz promessas para Deus, pedindo intervenção sobre sua situação de perda. Já na fase da depressão, a pessoa se volta para seu universo interno, se sentindo impotente diante da situação. Por fim, no estágio da aceitação, o indivíduo consegue enxergar a realidade como ela é. Ele sente mais sereno frente à perda e consegue expressar de forma mais clara sentimentos, emoções e frustrações.